Skip to content

A polêmica Vogue de junho

30/05/2013

VogueJunho

Uma parceria entre a top Gisele Bundchen, o fotógafo Mario Testino e a revista Vogue, é sinônimo de sucesso, certo? Mais ou menos. A revista postou recentemente em suas redes sociais a capa da edição de junho, e foi alvo de vários comentários negativos por conta da diagramação totalmente fora dos padrões da publicação – fugindo bastante do conceito fixo da revista. A polêmica capa já virou matéria para diversos sites e gerou inúmeras discussões. Por que a revista faria algo desse tipo? Pensando nisso, fui em busca de algo que me fizesse entender melhor.

Vocês conhecem o termo Pretty Ugly?

Em 2007, Patrick Burgoyne escreveu um artigo para uma revista intitulada “The New Ugly”, onde ele sugeriu o surgimento de uma nova onda de design envolvendo a moda – quebrando todas as regras, na tentativa de prender a atenção do público, até então cansado da mesmice.

O termo “Pretty Ugly” tornou-se um movimento interdisciplinar, abrangendo moda, produto e design gráfico. É um novo tipo de beleza que não é baseada no prazer visual, e sim em um novo conceito – que está chegando ao Brasil em doses homeopáticas, justamente pelo furor que causa. É o “feio proposital”, que utiliza uma tipografia ruim, utilizando fontes básicas do sistema (como Arial, Helvetica ou Times) e sem espaçamento entre as linhas. O “Pretty Ugly” é um movimento contra os critérios estabelecidos, tentando recuperar a atenção do público e explorar um novo território.

VogueJunho2

É basicamente uma geração de designers (altamente qualificados, vejam só) que utilizam de seus conhecimentos para romper com o que eles mesmo consideravam como regras. Mas por trás da estética há mais do que apenas uma rebelião visual. Hoje, o designer tem uma voz tão importante, que se tornou parte do processo de comunicação. Isso é sintomático no mundo em que vivemos. Design não é só sobre visualizar uma única mensagem, é sobre a criação de um sistema e de um novo vocabulário, que lhe dá flexibilidade para a comunicação.

É bem provável que essa tenha sido a linha principal de pensamento da Vogue ao criar esta capa de junho. Talvez, o público não esteja pronto para receber este tipo de informação. Foge dos padrões e do conceito da revista, mas quem sabe, não foi esse o objetivo? Causar uma revolta coletiva, fazer pensar? O que importa é que gerou debate, e sim, chamou a atenção. Ou seja, objetivo mais do que cumprido, certo?

Anúncios
2 Comentários leave one →
  1. 30/05/2013 1:51 PM

    Poxa, adorei a explicação! Beijos

  2. 06/06/2013 4:41 PM

    Muito bom!! Só pode ter sido isso mesmo….
    Beijos Dani :*

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: